Ajude o Instituto Mário Penna

"Ontem, recebi minha alta depois de 7 anos de tratamento e acompanhamento dessa ótima instituição e toda a sua equipe."

Saiba mais sobre o câncer de colo de útero

29/12/2017 Por: Instituto Mário Penna Categoria: Fale com um especialista

Câncer de colo de útero

O câncer de colo uterino é causado por uma infecção persistente pelos tipos oncogênicos do  Papiloma Vírus Humano (HPV). A infecção pelo HPV ocorre por via sexual e é muito prevalente na sociedade. Boa parte das mulheres infectadas pelo vírus não desenvolverão a doença, mas em algumas delas, o vírus provoca alterações celulares significativas que poderão evoluir para o câncer de colo uterino. Essa evolução depende tanto do tipo de vírus quanto de fatores da paciente, como o tabagismo, imunossupressão, dieta, obesidade, infecção por clamídia entre outros. É o terceiro tumor mais frequente em mulheres e a quarta causa de morte de mulheres por câncer, sendo mais incidente em países em desenvolvimento.

Sintomas

Inicialmente, a doença não apresenta sintomas. Por isso, a importância do exame ginecológico de rastreamento (Papanicolaou), também conhecido como exame preventivo. O objetivo do exame é identificar as alterações celulares provocadas pelo vírus, antes mesmo do desenvolvimento do câncer, quando o tratamento adequado tem uma chance de cura de 100%. Sintomas como sangramento vaginal irregular e após relações sexuais, secreção vaginal anormal e dor abdominal associada ou não a sintomas urinários ou intestinais podem ocorrer em casos mais avançados da doença.

Quem deve fazer e quando fazer o exame de rastreamento

Segundo as diretrizes propostas pelo Ministério da Saúde, o exame de rastreamento deve ser feito em mulheres que têm ou já tiveram vida sexual e que estão entre 25 e 64 anos de idade. Devido à longa evolução da doença, o exame pode ser realizado a cada três anos, desde que os dois primeiros exames anuais sejam normais.

Diagnóstico e estadiamento da doença

O diagnóstico é feito através do exame anatomopatológico (biópsia), que é um exame simples e pouco doloroso, que pode ser feito no próprio consultório. O estadiamento é a classificação da doença de acordo com sua extensão e gravidade. No câncer de colo uterino, o estadiamento obedece a critérios clínicos, obtidos através do exame físico (toque vaginal e retal), também realizados em consultório. Dele vai depender a definição do melhor tratamento para cada paciente. Quanto mais precoce o diagnóstico, maiores as chances de cura.

Tratamento:

Existem várias modalidades de tratamento para o câncer de colo uterino. O principal deles é o tratamento cirúrgico, que só é possível em estádios iniciais da doença, quando ainda limitada ao colo do útero. Para os casos de doença mais avançada, quando já há comprometimento de tecidos além do colo uterino, a radioterapia e/ou quimioterapia são as opções terapêuticas. O desejo de ter filhos e as condições clínicas da paciente também devem ser considerados para o melhor plano terapêutico.

Consulte o seu ginecologista regularmente. Previna-se.

Por Dra. Sidnéa Macioci Cunha
Ginecologista Oncológica e coordenadora do Curso de Aprimoramento em Ginecologia Oncológica do Instituto Mário Penna, desde março de 2014.

Compartilhe essa notícia: