Ajude o Instituto Mário Penna

"Ontem, recebi minha alta depois de 7 anos de tratamento e acompanhamento dessa ótima instituição e toda a sua equipe."

Saiba mais sobre câncer de mama

03/10/2017 Por: Instituto Mário Penna Categoria: Fale com um especialista

O que é:

O câncer de mama é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres em todo o mundo, desconsiderando o câncer de pele não melanoma. Quase 30% dos novos casos de câncer diagnosticados em mulheres anualmente são de mama.

Quando é mais comum o desenvolvimento da doença?

Mulheres com mais de 50 anos são mais propensas a desenvolver a doença, mas existe um número significativo de casos diagnosticadas antes dos 40 anos.

11 principais causas do câncer de mama:

O câncer de mama não tem uma causa única. Diversos fatores estão relacionados ao aumento do risco de desenvolver a doença. Confira abaixo quais são eles:

1.Sexo feminino – é o principal fator de risco;
2.Idade – Quanto mais velha for a mulher, maiores são as suas chances de desenvolver a doença;
3.Idade muito precoce da primeira menstruação (antes de 12 anos);
4.Menopausa tardia (após os 55 anos);
5.Primeiro parto somente após os 30 anos;
6.Não ter filhos;
7.Terapia de reposição hormonal após a menopausa;
8.A ingestão de bebida alcoólica;
9.Tabagismo;
10.Sobrepeso e obesidade;
11.Histórico familiar relevante – pode determinar um alto risco de desenvolver a doença.

Vale destacar que o consumo de álcool e cigarro, além do sobrepeso e obesidade estão diretamente ligados à doença em mulheres adultas, daí a importância da adoção de hábitos saudáveis para a prevenção.

Sintomas:

O câncer de mama não apresenta sintomas específicos. Por isso, o rastreamento através de mamografia e exame físico anuais são o pilar do diagnóstico precoce.

Mas as mulheres devem ser encorajadas a conhecer bem as suas mamas através de observação e palpação. Não havendo necessidade de aplicar técnicas específicas ou a obedecer a cronologias estabelecidas. Sabendo o que é o normal e habitual em seu corpo, serão capazes de perceber qualquer alteração.

Sempre que houver dúvida, a mulher deverá procurar assistência médica para esclarecer o achado, pois todas as alterações citadas podem estar relacionadas a doenças benignas ou malignas.

Porque devemos buscar a detecção precoce da doença?

A detecção do câncer de mama em fases iniciais aumenta as chances de cura da doença e permite oferecer um tratamento mais eficaz e menos agressivo. O diagnóstico precoce é a principal arma no combate aos efeitos negativos da doença, sendo fundamentada por mamografias anuais associadas ao exame físico regular.

A mamografia de rastreamento é realizada em mulheres sem sinais ou sintomas da doença e pode reduzir a mortalidade pela doença em até 30%. A Sociedade Brasileira de Mastologia recomenda que toda mulher a partir dos 40 anos faça o exame anualmente.

Conheça os três pilares do tratamento do câncer de mama:

  • Cirurgia;
  • Radioterapia;
  • Tratamento sistêmico (quimioterapia e hormonioterapia).

A sequência na qual são indicados depende da análise de cada caso.

  • Cirurgias:

Podem ser parciais ou conservadoras, que consistem na retirada parcial da mama e sempre são complementadas por radioterapia, ou em mastectomias, que consistem na retirada total da mama.

O câncer de mama invasor sempre inclui a abordagem cirúrgica da axila, que pode ser feita através de biópsia do linfonodo sentinela (retirada dos gânglios axilares com maior probabilidade de comprometimento por células tumorais) ou de linfadenectomia axilar (retirada de vários gânglios quando não há dúvidas a respeito de seu comprometimento tumoral).

  • Radioterapia:

É uma forma de tratamento local que destrói células tumorais empregando feixes de radiação ionizante, diminuindo as chances de recidiva da doença no local em que é aplicada. A cirurgia conservadora da mama sempre será acompanhada de radioterapia, e sua indicação complementar após mastectomias dependerá da análise de cada caso

  • Tratamento sistêmico:

Tem como objetivo impedir que células malignas se instalem em locais distantes da mama. Aplicado após a cirurgia, é chamado de adjuvante e pode ser indicado mesmo quando não há mais indícios da doença.

Em alguns casos, o tratamento sistêmico pode ser indicado antes da cirurgia para diminuir o volume tumoral e permitir procedimentos menos extensos e agressivos, sendo então chamado de neoadjuvante.

Por: equipe de Mastologia Instituto Mário Penna.
Dr. Wagner Antônio Paz
Dra. Soraya de Paula Paim
Dr. Gustavo Lanza de Mello
Dra. Kerstin Kapp Rangel

#eulevoavidacorderosa #pinkse #outubrorosa #institutomariopenna

Compartilhe essa notícia: