Ajude o Instituto Mário Penna

"Ontem, recebi minha alta depois de 7 anos de tratamento e acompanhamento dessa ótima instituição e toda a sua equipe."

Câncer de testículo: causas, sintomas e tratamento

10/04/2018 Por: Instituto Mário Penna Categoria: Fale com um especialista Saúde e Câncer



O câncer de testículo é um raro tumor urológico. A maioria dos tumores são do tipo: tumores de células germinativas, ou seja, cânceres que se desenvolvem de elementos das células fundamentais embriológicas localizadas nos testículos, onde são produzidos os espermatozoides. Os dois tipos mais frequentes são os tumores seminomatosos e não-seminomatosos; esses nomes derivam da composição dos tumores.

Quando é mais comum o desenvolvimento da doença?

Apesar de raro nos homens em geral, são os tumores mais frequentes entre 15 e 35 anos. Faixa etária onde é muito importante se pensar no câncer de testículo nos homens com testículos endurecidos e aumentados de tamanho.

Principais causas do câncer de testículo:

O câncer de testículo, como todos cânceres, não tem uma causa única. Diversos fatores estão relacionados ao aumento do risco de desenvolver a doença. Confira abaixo os principais fatores de risco:

  1. Alterações na descida dos testículos, chamadas de criptoquidismo, bem como testículos que não desceram e estão dentro do abdomen.
  2. Mal formações da genitália podem estar relacionadas à ocorrência dos tumores, como alterações na uretra peniana chamadas de hipospádias.
  3. Alterações na fertilidade.
  4. História familiar de câncer de testículo.
  5. Tumores testículo contra-lateral.

Qual o principal sintoma?

A apresentação mais comum do câncer testicular é a de um testículo muito aumentado de tamanho e todo endurecido, que pode ser dolorido ou não. Não ocorrência disso, principalmente em homens jovens, sempre se deve pensar em câncer. Deve-se sempre procurar consultar um urologista para avaliação do quadro e realização de exames.

Porque devemos procurar detectar precoce a doença?

O câncer de testículo detectado nas fases iniciais da doença pode ter próximo de 100% de cura com os tratamentos adequados. Daí a importância de se detectar a doença na fase inicial. Devido a raridade não é indicado o autoexame para todos os homens, como no câncer de mama por exemplo, porém irmãos de pacientes com câncer de testículos devem ser orientados a monitorar alterações nos testículos. Além disso deve-se conscientizar os médicos em geral a sempre se pensar em câncer em alterações testiculares em homens jovens.

Como é feito o tratamento do câncer de testículo?

O tratamento do câncer de testículo é planejado após a remoção do testículo acometido via inguinal (pela virilha), este é o primeiro passo para elaborar a estratégia de seguimento pois vai indicar qual é o tipo de tumor. Na segunda fase do planejamento do tratamento deve-se procurar por disseminação do tumor pelo resto do corpo, além disso avaliar exames de sangue que vão ajudar nesta procura e estudar com muita precisão o resultado da biópsia do testículo. Após esta fase inicial quatro caminhos podem ser tomados de acordo com o tipo de tumor encontrado:

  1. Acompanhamento periódico: consultas e exames de imagem e sangue.
  2. Quimioterapia: as medicações, doses e a duração variam de acordo com o tipo de tumor.
  3. Radioterapia: doses e a duração variam de acordo com o tipo de tumor.
  4. Cirurgia

Importante salientar que todo tratamento vai depender do tipo de tumor encontrado e do estágio em que ele se encontra, além do que quanto mais inicial este tumor maior as taxas de cura.

Dr. André Salazar e equipe de Urologia do Instituto Mário Penna

Compartilhe essa notícia: